Nesta cirurgia, utiliza-se um aparelho endoscópio flexível, chamado ureterorrenoscópio flexível, para percorrer todo o sistema urinário. O aparelho é inserido pela uretra (o canal entre a bexiga e os genitais externos) até à bexiga, entrando depois nos ureteres (os canais que ligam os rins à bexiga) alcançando assim o interior dos rins (daí o nome intra-renal). Os cálculos são visualizados através do ureterorrenoscópio e depois fragmentados através da aplicação de energia laser, ou retirados com a ajuda de pequenas pinças ou cestos.

 

Créditos: EAU Patient Information
Versão em espanhol: https://www.youtube.com/watch?v=XvG0900cufE

A cirurgia intra-renal retrógrada é uma cirurgia minimamente invasiva, destinada ao tratamento da litíase ou cálculos (pedras) renais.
A maioria dos cálculos até 10-15 mm podem assim ser removidos num único procedimento, sem incisões na pele, e com uma recuperação bastante rápida.

Antes da cirurgia, devem ser erradicadas as bactérias que possam estar presentes no seu tracto urinário. Isto vai ser pesquisado previamente pelo seu médico, e caso tal se confirme, necessitará de tomar um antibiótico alguns dias antes. À parte deste aspecto, esta cirurgia não exige nenhuma preparação especial.

Dado que não necessita de quaisquer incisões, a recuperação após a cirurgia intra-renal retrógrada é bastante rápida. Praticamente todos os doentes têm alta hospitalar no dia seguinte à cirurgia, não sendo portadores de quaisquer cateteres externos. Podem assim retomar a sua actividade normal de imediato.

Após a cirurgia, deve assegurar-se que bebe bastante água (2,5-3,0 litros/dia) por forma a facilitar a expulsão dos pequenos fragmentos de cálculos que tenham ficado no interior do seu sistema urinário.

Na fase final da cirurgia, é frequente ter que se colocar provisoriamente um stent/ cateter uretérico (duplo J) no ureter (entre o rim e a bexiga), por forma a facilitar a cicatrização pós-operatória. A presença deste cateter pode ocasionalmente provocar algum desconforto no baixo ventre e vontade de urinar com mais frequência. Estes são habitualmente sintomas ligeiros, que resolvem completamente após a remoção do cateter (cerca de 2-3 semanas após a cirurgia). Também a presença de algum sangue ou de pequenos fragmentos de cálculos na urina é perfeitamente normal.
Contudo, deverá contactar o seu médico no caso de ter dor lombar forte ou febre nas semanas após a cirurgia, o que pode sugerir a ocorrência de alguma complicação.

Após a cirurgia, será-lhe marcada uma consulta com o seu urologista, bem como a remoção do cateter uretérico de duplo J, caso tal esteja indicado. Nesta consulta, o seu médico vai elaborar um plano de prevenção e vigilância personalizado, para que o risco de aparecimento de novos cálculos urinários seja reduzido.